E se os alienígenas se comunicarem através de ondas gravitacionais?

6637efcc644ad37aa4d69f9ca8cdedab1558377447-
Buracos negros em colisão enviam ondulações através do espaço-tempo que podem ser detectadas na Terra 
Créditos: Nicolle Rager Fuller

Nós procuramos por eles há décadas sem sucesso. Os cientistas vasculham o céu de novo com os mais poderosos telescópios e detectores, tentando localizar um sinal que revele a presença de seres inteligentes além da Terra. Mas a busca, até agora, foi em vão. Ondas de rádio, raios-X, raios laser… os pesquisadores tentam analisar todas as possibilidades, todas as frequências, todos os meios possíveis com os quais uma hipotética civilização alienígena poderia estar se comunicando. Ou algo que revele o uso de tecnologias extraordinariamente avançadas. Mas até agora o resultado decepcionante sempre foi o mesmo: nada.

 

Por que não podemos encontrá-los? 

São poucas as dúvidas, neste ponto, de que há uma boa chance de que “lá fora” possa haver “alguém” com capacidades semelhantes ou superiores às nossas. Existem muitas estrelas, muitos planetas no universo para pensar que o nosso é o único entre trilhões, nos quais a vida se desenvolveu.

Poderia ser – perguntam alguns – que simplesmente ainda não encontramos o modo como eles usam para se comunicar? Nós empregamos ondas de rádio, mas uma civilização estranha poderia ter desenvolvido uma tecnologia de comunicação completamente diferente. Ou poderiam ter criado máquinas poderosas o suficiente para que suas atividades sejam registradas em nosso planeta. Se conseguíssemos esses sinais, os encontraríamos.

 

Missão LISA

A última proposta a esse respeito vem de uma equipe de cientistas liderada por Marek Abramowicz, da Universidade Sueca de Gotemburgo. Em um artigo publicado recentemente no Arxiv.org, os pesquisadores consideram muito seriamente a possibilidade de que os alienígenas tenham uma tecnologia capaz de gerar ondas gravitacionais. Ou seja, as ondulações fracas no próprio tecido do espaço-tempo produzido por fenômenos violentos, como supernovas ou colisões de buracos negros.

Assim como uma pedra causa ondulações em um lago, esses fenômenos perturbam a calma linha espaço-temporal com “ondas de gravidade” que se propagam em todas as direções e que, aqui na Terra, somos capazes de detectar desde 2015.

Segundo Abramowicz e sua equipe, além disso, uma pequena mudança operacional na antena da missão LISA (Laser Interferometer Space Antenna), um detector espacial de ondas gravitacionais projetado pela Agência Espacial Europeia (ESA) e programado para ser lançado em 2034 seria suficiente para permitir essa missão também.

A missão LISA consiste em três sondas dispostas em um triângulo a 2,5 milhões de quilômetros da Terra. Combinadas, elas funcionarão como um enorme detector de ondas gravitacionais em órbita. E se a mudança sugerida por Abramowicz for aplicada, também poderá permitir a descoberta de uma civilização avançada dentro da nossa galáxia.

 

No buraco negro

Escrevem os pesquisadores em seu artigo que, “Nossa existência no universo é o resultado de uma rara combinação de circunstâncias. E o mesmo deve ser verdade para qualquer civilização alienígena avançada. Se houver alguma  civilização na Via Láctea, é suscetível de estar espalhada por grandes distâncias no espaço e no tempo, no entanto, elas certamente estão cientes da propriedade única do nosso centro galáctico: que abriga o enorme buraco negro mais próximo e acessível para nós “.

Para Abramowicz e sua equipe, “uma civilização suficientemente avançada pode ter colocado tecnologia em órbita do buraco negro para estudá-lo, extrair energia a partir dele e para algum fim de comunicação. Em qualquer caso, o seu movimento orbital é necessariamente uma fonte de ondas gravitacionais”.

Em outras palavras, os pesquisadores acreditam que o centro da Via Láctea seria um lugar perfeito para colocar um farol que transmite mensagens para o resto da galáxia. Um dispositivo como esse, escreve Abramowicz, enviaria suas mensagens usando ondas gravitacionais porque “uma vez emitidas, elas viajam pelo espaço sem serem praticamente perturbadas”.

 

O mensageiro

Os autores do estudo batizaram o farol com o nome de “O Mensageiro”. E eles afirmam que o grande tamanho do detector LISA significa que ele será capaz de detectar ondas gravitacionais de qualquer lugar e em qualquer direção. Isto é, não se limitará a estudar um setor específico do Universo.

Os investigadores argumentam que, se uma civilização alienígena avançada decidiu construir um dispositivo para estudar Sagitário A*, o buraco negro central da galáxia, ou extrair energia a partir dele, ou mesmo qualquer outra finalidade para a qual a nossa mente não alcance, esse dispositivo também pode servir como um mensageiro.

“Para gerar um sinal de onda gravitacional razoavelmente forte, o  corpo na órbita Sagittarius A* deve ter uma massa de gama astronômico. Não deve ser muito pequeno, porque não poderia produzir uma amplitude de ondas gravitacionais detectáveis ao longe. Mas não poderia ser muito grande, porque então precisaria de muita energia para ficar em sua órbita em torno de Sagitário A*”, explica Abramowicz.

 

O tamanho de Júpiter

Segundo os cientistas, o ideal seria que o dispositivo tivesse o tamanho e a massa de Júpiter, o que permitiria transportar combustível suficiente para corrigir sua órbita por um longo período de tempo. No estudo, os pesquisadores mostram que um “mensageiro” que tem a massa de Júpiter e que está na órbita circular mais estável em torno do buraco negro “poderia se sustentar por alguns bilhões de anos e emitir continuamente um sinal de onda gravitacional artificial inconfundível e que seria observável com detectores do LISA.

Se acontecer de Abramowicz estar certo, poderemos em breve captar a primeira onda gravitacional de origem artificial na história. Só haveria uma pergunta: como poderíamos saber, em um dispositivo capaz de emitir bilhões de anos, se os transmissores de sinal ainda existem? Pode uma civilização, por mais avançada que seja, sobreviver por tanto tempo?

De qualquer forma, isso é algo que, até hoje, pouco preocupa os cientistas. O mais importante é obter um sinal inequívoco que demonstre, finalmente, que não estamos sozinhos no Universo.

Fonte: ABC.es

Via: https://ufo.com.br/noticias/e-se-os-alienigenas-se-comunicarem-atraves-de-ondas-gravitacionais.html

Anúncios

Obrigado por participar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s