Um passo do desacobertamento: Marinha americana elabora protocolo UFO

 

 

Pilotos da Marinha americana filmaram um UFO em forma de disco sobre o Oceano Pacífico, em maio de 2016 
Créditos: Section 51

A Marinha dos EUA está redigindo novas diretrizes para que pilotos e outros funcionários relatem encontros com “aeronaves não identificadas”, um novo passo significativo na criação de um processo formal para coletar e analisar os avistamentos inexplicados – e desestigmatizá-los.

O movimento anteriormente não relatado é em resposta a uma série de avistamentos de aeronaves altamente avançadas, desconhecidas, intrusivas em grupos de ataque da Marinha e outras formações e instalações militares sensíveis, diz o serviço.

“Houve vários relatos de aeronaves não autorizadas ou não identificadas que entraram em espaços aéreos controlados pelos militares nos últimos anos”, disse a Marinha em um comunicado. “Por questões de segurança, a Marinha e a Força Aérea americana levam esses relatórios muito a sério e investigam todo e qualquer relatório”.

“Como parte desse esforço”, acrescentou, “a Marinha está atualizando e formalizando o processo pelo qual as denúncias de tais incursões suspeitas podem ser feitas às autoridades competentes. Um novo protocolo para a frota que detalhará as etapas dos relatos. ”

Para ser clara, a Marinha não está dando a ideia de que seus marinheiros tenham encontrado espaçonaves alienígenas, mas está reconhecendo que tem havido avistamentos aéreos estranhos e suficientes por parte de militares credíveis e altamente treinados, que precisam ser registrados oficialmente e estudados – em vez de descartados como alguns fenômenos mal-humorados do campo da ficção científica.

 

 

Chris Mellon, ex-funcionário da inteligência do Pentágono e ex-membro do Comitê de Inteligência do Senado, disse que estabelecer um meio mais formal de reportar o que os militares chamam de “fenômenos aéreos inexplicáveis” – em vez de UFOs,  seria um mar de mudanças.

“Neste momento, temos uma situação em que UFOs são tratados como anomalias a serem ignoradas, em vez de anomalias a serem exploradas”, disse ele. “Temos sistemas que excluem essa informação e a despejam.”

Por exemplo, Mellon disse que “em muitos casos, os militares não sabem o que fazer com essa informação – como dados de satélite ou um radar que vê algo que vai até Mach 3. Eles vão despejar os dados porque isso não é uma aeronave ou míssil tradicional ”.

O desenvolvimento vem em meio ao crescente interesse de membros do Congresso após revelações do Politico e do New York Times, no final de 2017, de que o Pentágono estabeleceu um escritório dedicado dentro da Agência de Inteligência de Defesa para estudar UFOs a pedido de vários senadores que reservaram secretamente as dotações para o esforço.

Esse escritório gastou cerca de 100 milhões de reais conduzindo uma série de estudos técnicos e avaliando numerosas incursões inexplicadas, incluindo uma que durou vários dias envolvendo o USS Nimitz Carrier Strike Group, em 2004. Nesse caso, caças da Marinha foram ultrapassados por UFOs que voaram de maneira que parecia desafiar as leis da física conhecida.

A Raytheon, uma das principais empresas de defesa, usou os relatórios e o vídeo oficial do Departamento de Defesa dos avistamentos na Costa da Califórnia para saudar um de seus sistemas de radar para capturar os fenômenos.

O escritório de pesquisa de UFOs do Pentágono, conhecido como Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, foi oficialmente desativado em 2012, quando a marca do Congresso acabou.

Mas mais legisladores estão fazendo perguntas, segundo a Marinha. “Em resposta às solicitações de informações dos membros do Congresso e da equipe, oficiais da Marinha forneceram uma série de instruções de altos funcionários da Inteligência Naval, bem como aviadores que relataram riscos à segurança da aviação”, disse o serviço em seu comunicado apolítico.

A Marinha se recusou a identificar quem foi informado e fornecer mais detalhes sobre as diretrizes para relatórios que estão sendo elaborados para a frota. A Força Aérea não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Defensores do tratamento de tais avistamentos como uma potencial ameaça à segurança nacional há muito criticam os líderes militares por darem ao fenômeno relativamente pouca atenção e por encorajar uma cultura em que o pessoal acha que falar sobre isso pode prejudicar sua carreira.

Luis Elizondo, ex-funcionário do Pentágono que dirigia o chamado escritório da AATIP, reclamou, depois que ele se aposentou do serviço governamental, de que a abordagem do Pentágono a essas aeronaves não identificadas foi excessivamente superficial.

“Se você está em um aeroporto movimentado e vê algo, você deveria dizer alguma coisa”, disse Elizondo. “Com nossos próprios membros militares é o contrário: “Se você vê alguma coisa, não diga alguma coisa.”

Ele acrescentou que, como essas aeronaves misteriosas “não têm um número de placa ou uma bandeira – em alguns casos nem mesmo lugar da placa. O que acontecerá daqui a cinco anos se forem aeronaves russas extremamente avançadas?”

Elizondo apresentará uma próxima série de documentários sobre a pesquisa de UFOs do Pentágono que ele supervisionou. Ele disse que a série de seis partes revelará avistamentos mais recentes de UFOs por dezenas de pilotos militares. Tanto Elizondo quanto Mellon estão envolvidos com a To The Stars Academy of Arts and Sciences, que apoia a pesquisa para explicar os avanços técnicos que esses UFOs relatados demonstram.

 

Fonte: The New York Times, Politico, Canal João Marcelo, Lgendas Tunguska

Via: RevistaUFO

 

Anúncios

Obrigado por participar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s